Relato de parto da Iasmin, nascimento da Alice

Good

11/janeiro/2016, 39 semanas + 6 dias.

Breno e eu passamos o dia 10 fazendo faxina, organizei pela milésima vez as coisinhas da Alice, perdi tampão transparente o dia todo, muitas contrações, o que era comum nas últimas semanas, mas nesse dia vinham acompanhadas por uma cólica leve e as vezes um pouquinho mais forte.

Saímos para jantar. No caminho achei melhor comprar algo e comer em casa, pois estava me contorcendo um pouco no banco do carro e imaginei essa cena no restaurante. Seguindo a orientação de uma alimentação leve compramos uma pizza.

Lá por 00:00h saiu o restante do tampão, dessa vez com sangue. Penso que se não fosse todas as conversas e orientações das doulas sobre as etapas do trabalho de parto, provavelmente nessa hora eu teria me desesperado. Começaram a chegar no whatsapp mensagens de cada uma das doulas. Palavras na hora certa que acalmaram meu coração.

Eu e Breno ficamos conversando, já que a ansiedade (e as contrações) não nos deixava dormir. Até que as 3:30h a bolsa estourou. Senti desespero, só ai que minha ficha caiu. Chegou o dia que esperei por tantos meses! Líquido clarinho e as contrações ficaram mais doloridas. A Lê me ligou, conversamos, eu disse que queria ir para o hospital. Cardiotoco ok. Minhas pernas tremiam incontrolavelmente de nervoso.

1º Exame de toque. ás 4:30h, sem dilatação e o comentário da enfermeira; Ih, essa dor aí não é nada, vai demorar ainda! E eu pensando: meu Deus, se nem começou e ta doendo assim, eu vou morrer, socorro! Calculei a teoria da dilatação de 1cm por hora, Alice iria nascer lá pelas três horas da tarde então eu precisava aguentar. Fomos para o quarto, entra a Marília com uma mala enorme, coloca uma roupa bonitinha, apaga as luzes, enche uma bola, coloca um cheirinho bom e logo transformou aquele quarto de hospital em um lugar acolhedor. Vesti uma fralda (que foi muito útil por conta da bolsa que não parava de vazar), um top e pronto, estava com meu look do dia sexy(só que não) para parir.

Sentei na bola e debrucei na cama, essa era a melhor posição. As contrações estavam bem doloridas, quando vinham eu me desligava e ia para outro universo, apenas me concentrava na respiração. Lembro que tinha sensação que ia desmaiar, era meu próprio corpo me anestesiando. Marília e Breno se revezavam em fazer massagem na minha lombar com um óleo cheiroso que esquentava, e assim ficamos! vi amanhecer pela janela, lembro que quis ir no banheiro e quando voltei sentei naquelas poltronas de visita.

Eu não conseguia mais raciocinar. Falei pra Marília que não tinha mais intervalo, era só dor. As contrações eram seguidas e eu queria remédio! Não queria anestesia, (só um dipirona… crente de que resolveria) Ela me enrolou, falou que o médico estava vindo para avaliar.

A Letícia entrou no quarto bem na hora que o bicho pegou. as contrações eram acompanhadas de gritos, gritei muito, eu que sempre achei que esse negócio de gritar era frescura. Era instintivo, não dava para não fazer. Marília perguntou se eu estava com vontade de fazer força, respondi que Siiiiim!!! Ela correu, chamou a enfermeira que fez exame de toque e dilatação total 4 horas depois do primeiro exame.

Trouxeram uma maca e correram comigo pelo corredor até a sala de parto, a enfermeira me colocou numa cama deitada, eu não estava em condições de pedir para mudar de posição, mas Marília levantou a cama até eu ficar sentada.

Entra o médico, arrumadinho, cheiroso, com tipo de quem acabou de sair do banho. A presença dele me tranquilizou, pois haviamos combinado o plano de parto, eu tinha medo de ser acompanhada por outro profissional e acabar com procedimentos desnecesários.

Tenho alguns flashs de lembrança: Breno passa mal e sai da sala, Letícia sai para ajudar, Breno volta comendo mel, pergunto se estou fazendo direito, num coro todos respondem que sim, Entra pediatra que estava de plantão, todos se olham e o clima pesa! Putz. Ela não! Vejo o médico com uma tesoura se aproximando do meu períneo, No reflexo, seguro com força a mão dele, que responde: calma! Eu só vou cortar um pedacinho do cabelo dela, pra você ver que ela já está aqui. Depois me contaram que ele avisou o que ia fazer, mas eu abstrai essa parte! Falei: não vai cortar nada ai!! Ele pergunta se quero sentir com a mão o cabelo dela, eu respondo que não, ao mesmo tempo que faço o que ele sugeriu, pediatra não para de falar e palpitar: põe oxigênio nela, que o bebê nasce mais bonito! Médico responde: Porque você não vai dar uma voltinha!? Se eu pudesse, daria uma voadora nela! Hahaha Respiro e me concentro novamente.

Então conheci o tal círculo de fogo. O tempo parou. Imediatamente a dor acabou. Lembro perfeitamente daquela cena: aqueles olhinhos fixos nos meus olhos. Calma, tranquila, sem chorar, veio direto para o meu colo. Uma explosão de sentimentos que jamais vou conseguir explicar!

Precisei de pontos, tive algumas lacerações. 20 minutos depois estava no quarto tomando café da manhã, com disposição para correr uma maratona, muito feliz, com uma sensação de dever cumprido, incrédula que havia conseguido. Liguei para minha mãe, disse que estava indo para o hospital, ela desesperada perguntando o que eu estava sentindo. _ mãe, eu tô brincando, ela ja nasceu! As 8:42 da manhã. Linda! Apgar 10! 3.050kg, 49cm.

Grata a Deus pela perfeição da sua criação. A equipe doulas em Londrina que me deu informação, acolhimento, força, e me encaminhou para um processo de empoderamento incrível. Vocês fazem parte da nossa história! Obrigada pelo trabalho lindo e por todo amor que dedicam ao próximo. Em especial a Lê que falava comigo 24hrs, todos os dias e até hoje eu acho que ela não dorme nunca! A Marília, que cuidou de mim no trabalho de parto. Ao meu marido por todo companherismo. Carol, por me ouvir sempre. Aos meus pais e avós por serem a base de quem sou. E Alice, meu anjo. Não existem palavras que expressam o tamanho da gratidão que tenho por sua vida. Obrigada por me fazer transbordar tanto amor e todos os sentimentos bons que existem.

iasminalice

 

Parabéns Iasmin, Alice e Breno…obrigada por nos permitirem fazer parte dessa história!

Compartilhe!!!Share on FacebookShare on Google+Pin on PinterestShare on TumblrTweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *